Top Ad unit 728 × 90

Últimas publicações

recent

Ex-muçulmanos enviam carta aberta ao Papa


Tradução: Carlos Wolkartt – Renitencia.com

No Natal de 2017, enquanto a maioria de nós provavelmente desfrutava de encontros festivos com familiares e amigos para a celebração da Natividade de Nosso Senhor, um grupo de ex-muçulmanos corajosos publicou uma carta aberta ao Papa Francisco levantando questões de suma importância: "Se o Islã é a religião bondosa que Sua Santidade parece ensinar, por que será que nos tornamos católicos? Suas palavras não questionam a validade da escolha que fizemos ... mesmo ao perigo das nossas vidas?".

A carta, originalmente escrita em francês e com apenas 10 signatários até a data de publicação, conquistou mais de 2.600 assinaturas de ex-muçulmanos espalhados por todo o mundo, com um fluxo constante de novos assinantes a cada dia. Exemplos do desvelo de Francisco para com o Islã são citados ao longo de todo o texto, incluindo "os parágrafos 252 e 253 de Evangelii Gaudium", sua extensa exortação "Sobre o anúncio do Evangelho no mundo atual", e várias outras declarações públicas.

Enquanto Francisco inexplicavelmente afirma que "o verdadeiro Islã e uma interpretação adequada do Alcorão opõem-se a toda a violência" (EG, p. 253), os signatários da carta aberta — ex-muçulmanos que conhecem a verdade sobre o Islã por dentro — testemunham o contrário:

Como bom Anticristo, o Islã só existe sendo inimigo de todos: "Entre nós e vós há inimizade e ódio para sempre, até que não creiais no único Alá!" (Alcorão 60.4). Segundo o Alcorão, os cristãos "são apenas impurezas" (Alcorão 9.28), "os piores da Criação" (Alcorão 98.6), "todos condenados ao inferno" (Alcorão 4.48), razões pelas quais Deus deverá exterminá-los (Alcorão 9,30). Não nos devemos deixar enganar pelos versículos do Alcorão considerados tolerantes, pois todos eles foram revogados pelo Versículo da Espada (Alcorão 9.5) ... Não fazemos amálgama entre o Islã e os muçulmanos, mas se, para sua Santidade, o "diálogo" é o caminho da paz, para o Islã é apenas outra maneira de fazer guerra. Além disso, tal como foi com o nazismo e o comunismo, a ingenuidade diante do Islã é suicida e extremamente perigosa.

Eles se opõem respeitosamente ao incessante pedido de Francisco aos europeus, em particular, para que acolham um número praticamente ilimitado de imigrantes muçulmanos em seus países (atitude "suicida e extremamente perigosa", de fato), afirmando que tal rogativa distorce o verdadeiro sentido das Escrituras:

(...) O Santo Padre prega a recepção de imigrantes sem levar em conta que eles são muçulmanos, enquanto o comando apostólico o proíbe: "Se alguém vier a vós sem trazer esta doutrina, não o recebais em vossa casa, nem o saudeis. Porque quem o saúda toma parte em suas obras más" (2 João 1, 10-11).

(...) O significado da Escritura não deve ser fornecido pelos proponentes do globalismo, mas na fidelidade à Tradição.

Ao encerrar seu apelo, essas nobres almas suplicam ao Santo Padre "que convoque rapidamente um sínodo sobre os perigos do Islã", enfatizando que "se a Igreja tiver coragem de fazer isso, não duvidamos de que milhões de muçulmanos e outros homens e mulheres procurando o Deus verdadeiro se converterão". "Pedimos a Sua Santidade que confirme a nossa conversão a Jesus Cristo, verdadeiro Deus e verdadeiro homem, único Salvador, por meio de um discurso sincero e justo sobre o Islã".
Ex-muçulmanos enviam carta aberta ao Papa Reviewed by Editor on terça-feira, janeiro 16, 2018 Rating: 5
Todos os direitos reservados — Renitência © 2013—2018
Hospedado no Blogger. Desenvolvido por Sweetheme.

Entre em contato conosco

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.